Últimos assuntos
» Zumbido (?)
Hoje à(s) 12:44 por Marta

» DESMAME DE ANTIDEPRESSIVOS E ANSIOLÍTICOS
Dom Nov 19 2017, 23:05 por Brick

» Extra sistoles , palpitações
Dom Nov 19 2017, 01:52 por Me

» Valdoxan.. efeitos secundários
Sab Nov 18 2017, 16:20 por Convidado

» Como ajudar uma pessoa com ansiedade?
Sab Nov 18 2017, 09:48 por ester

» Ciência, Ansiedade e Ayahuasca
Sex Nov 17 2017, 12:52 por Bruno Valentim

» Ciência, Indíos e a Ayahuasca
Sex Nov 17 2017, 12:49 por Bruno Valentim

»  ritual ayahuasca
Sex Nov 17 2017, 12:44 por Bruno Valentim

» ritual ayahuasca
Sex Nov 17 2017, 12:43 por Bruno Valentim

» AYAHUASCA - RETIRO
Sex Nov 17 2017, 12:42 por Bruno Valentim

Quem está conectado
20 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 20 Visitantes

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 57 em Qui Maio 25 2017, 20:26

A minha história

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A minha história

Mensagem por Brick em Qua Jul 03 2013, 14:49

Devido à constante pergunta sobre a minha história através de mensagens privadas, decidi escrevê-la para que percebam e sintam o porquê desta minha revolta contra a psiquiatria/laboratórios farmacêuticos/médicos no geral.

Desde novo percebi que era bastante tímido, tinha medo de responder nas aulas, apesar de saber as respostas, tinha medo de enfrentar namoricos, mas sempre fiz a minha vida normal, nunca tive pânico nem nada de ansiedades ou depressões, sempre fui uma pessoa bem disposta e trazia boa disposição a quem estava comigo. Os professores diziam que era desatento e tinha falta de concentração e isso ainda tenho.

Em 1998 acabei o 12º, ingressei na faculdade em 1999 sem ajudas de comprimidos ou complexos vitaminicos. Nunca faltei a uma aula, nem por doença, nem por motivo algum. Tinha ido ao médico apenas 1 vez pois tomei uma overdose de aspegic 1000 pois disseram-me que fazia bem à dor de dentes e fez, mas acabou por fazer mal ao estômago e provocar uma gastrite.

Em 2001, começa o pesadelo.

Vou em direcção à faculdade e começo a sentir umas dores fortes na cervical enquanto conduzia, não dei grande importância. Passado umas horas, enquanto ajudava a construir o "carro de curso" sinto novamente a dor e estava a tornar-se forte e incomodativa. Decido passar no hospital para ver o que se passava.
Lá fui atendido por uma neurologista que disse que andava nervoso e era apenas tensão muscular e prescreveu-me Metamidol 10mg  (diazepam) mais Adalgur. Nessa noite tomei e senti-me nas nuvens, as dores passaram e tive sonhos a cores, o que nunca tinha acontecido. A médica disse para tomar durante 1 mês e assim foi, fiz o tratamento e parei a medicação. No dia seguinte não consegui sair da cama com tonturas e sintomas estranhos que agora sei que fazem parte de ansiedade, depressão, etc... (ou não). Não relacionei as tonturas com a falta de medicação. Fiquei em casa, na cama à espera que passasse. Não passou, cada dia que passava, as tonturas vinham cada vez mais fortes. Lembrei-me de retomar a medicação e passado uns minutos estava no meu estado normal. Percebi imediatamente que estava perante um problema de grande escala. Testei a retirada do adalgur e como não senti sintomas deixei de o tomar, sem problemas. Testei o diazepam e oops, nova pancada, descobri logo de onde vinha o problema, não, não era da minha cabeça.

Passei no meu médico de família e expliquei-lhe a situação. Ele disse que raramente receitava ansiolíticos. Deu-me umas vitaminas e valdispert para ajudar a retirar o diazepam, mas não me deu nenhum plano de redução nem nada do género.
Não resultou. Voltei lá, eis que me diz que estava com depressão! WTF? Eu só sentia tonturas e forte nervosismo quando largava a medicação, como é que eu estava com depressão? (Estava a ser enganado e eu a ver) Sugeriu seroxat, vulgo paroxetina! ERa bastante recente em Portugal. Peço opinião de um médico particular, muito conceituado no distrito e por incrível que pareça receitou a mesma substância, mas com outro nome Paxetil, também paroxetina. Ambos disseram que não provocava sintomas de descontinuação e que me ia ajudar a largar o diazepam (tinha encontrado o comprimido milagroso).

Agora só tinha de optar por um deles e fazer o famoso "tratamento" de 6 meses. Comecei com 20mg e ia morrendo, vomitei-me todo, o meu estômago ardia... Passei no médico, disse que não era normal, nem sequer era da medicação, mas sugeriu que tomasse apenas metade. Com metade aguentei-me e fui aumentando a dose com o passar dos dias e comecei a sentir-me nas nuvens. Parecia o rei com super poderes, era capaz de tudo e mais alguma coisa, ninguém me ia fazer parar! Como já disse aqui várias vezes, sentia-me como o Bradley Cooper em Limitless! Até que, passado 2 ou 3 meses no torneio de futsal do verão, no fim de cada jogo, sentia um cansaço estranho e os braços com choques eléctricos, algo que nunca tinha acontecido. Os sintomas tornaram-se cada vez mais fortes nos finais dos jogos sempre que estava mais cansado. Relacionei logo com a medicação, pois já estava escaldado do diazepam. A internet era ainda bebé, mas lá consegui encontrar informação em inglês e tudo batia certo, seroxat, choques eléctricos ou Brain zaps como os americanos lhes chamam. Afinal tinha entrado num problema ainda maior. Ainda tomava diazepam. Surgiram entretanto outros sintomas, energia a subir pelas costas acima (kundalini???) sem mais nem menos, muito cansaço sem sentido, muita ansiedade, por aí fora, nesta altura já não tinha mãos para contar os sintomas.

Recorro então a um acupunctor para me ajudar aliviar os sintomas e retirar a medicação. Aos poucos lá consegui retirar o diazepam, foi muito dificil. Todas as noites acordava às 4 da manhã com sensação de entrada em loucura, até que chegou a altura em que deixei mesmo de dormir, foram muitas e longas noites a ver os anúncios das facas chinesas e dos trituradores de vegetais e da Iva Lamarão a apresentar Quando o telefone Toca. Com mais ou menos dificuldade lá larguei a primeira droga, mas o pior estava para vir. O seroxat. Nem eu imaginava o quanto.
O metamidol provocou-me mais sintomas físicos, rigidez muscular, tonturas, comichão, etc... O seroxat ia completar o kit da parte mental.

Encontrei o paxilprogress, que hoje é uma filial da gsk, infelizmente. Mas na altura foram soberbos no apoio perante a escassa informação que havia sobre esta nova classe de antidepressivos (ads) SSRI. As bulas vinham vazias de efeitos adversos ou de descontinuação. Era uma alegria para os psiquiatras, pois pensavam que tinham achado a cura para todos os males (muitos ainda pensam).

Aproveitei a acupunctura para ajudar a retirar o seroxat, mas após algumas reduções de nada valeu. Entrei em colapso total. Mantive-me em funções até ao final do contrato (estamos em 2004) e aproveitei o tempo disponível de desemprego para retirar o resto, pensando eu que era fácil ou rápido. Nesta altura já sentia mais de cem mil sintomas, sobretudo mentais, ideias suicidas, falha de raciocínio, não saber onde estava, ansiedade que numa escala de 0-20 encontrava-se nos 1000, choques eléctricos na cabeça e braços. Cheguei a ligar várias vezes para a linha suicidio, sem ter motivos para tal. Na cozinha meia confusa da casa dos meus pais, estava uma faca que o meu pai usava para cortar o presunto do restaurante onde ele trabalhava, e enquanto ele via um utensílio de cozinha, eu via uma arma para cometer alguma atrocidade. O meu sistema imunitário estava também fragilizado e estava constantemente com gripe (que também é um sintoma de descontinuação Paxil flu) mas tive de passar nas urgências para me receitarem antibiótico. Ia sendo o meu fim. Nunca tomem antibióticos da classe das quinolonas enquanto estão a fazer desmame, pode ser mesmo o vosso fim como ia sendo o meu.

A ansiedade ia aumentando de nível, aos poucos, conduzir deixava de ser um prazer para ser um pesadelo, até que tive o meu primeiro ataque de pânico, em plena estrada, numa curva perigosa, quase a perder os sentidos, lá consegui entrar num caminho e ligar aos meus pais por ajuda. Durante 5 anos não consegui mais passar naquela estrada, sempre que havia tentado tinha ataque de pânico no mesmo sitio. Até que já não conseguia sair do quarto, nem para tomar banho, estava em constante pânico 24/7. Os amigos convidavam-me para sair e eu já nem respondia, foi aqui que os perdi todos. Estive praticamente 4 anos fechado em casa, com algumas tentativas de saída com algum sucesso, mas sempre em pânico, até o meu casamento foi nesta altura, estava bastante debilitado e pensava que ia morrer, aliás, não sei como sobrevivi a isto tudo, perdi 15kg e quem me conhece sabe que sou bastante magro.

Continuei, sem baixar os braços com o apoio do paxilprogress e da familia (às vezes) pensando sempre que as melhorias estariam para breve, mas nada, nem luz. Decido ir ao hospital psiquiátrico, nem sei como consegui conduzir, já não via solução. Chego lá e peço para me internarem, o que foi negado pois tinha de passar pelo medico de família primeiro. As funcionárias, acho que nem queriam muito acreditar pois uns tempos antes havia lá estado em trabalho, acompanhando uma aluna para a sua consulta de desenvolvimento.

Entretanto, passado 2 anos e meio (sem medicação) começo a sentir umas abertas, um alivio em alguns sintomas e foi aqui que senti que se estava a fazer luz! Nunca baixei os braços, mas passado alguns meses voltou tudo ao mesmo. Depois melhorei e percebi que isto vinha por ondas, ondas boas, ondas más, as más diziam eles que eram de recuperação, aguentei. Ao 4º ano já me sentia recuperado e até consegui voltar a trabalhar, com algumas dificuldades na condução, algumas tonturas e alguma ansiedade. Ao 5º ano voltou tudo mas com uma força incrível e já vou no 7º ano e neste momento estou bem quase sem sintomas. Restam a rigidez muscular, sensibildade ocular ( que me esqueci de referir atrás).

Sinto também alguma revolta e uma espécie de trauma por ter passado por tudo isto sem necessidade nenhuma.

Espero que a minha história seja útil a alguém.

Vivo aqui ajudando pessoas dando conselhos e a minha opinião até ter capacidade para tal.

Obrigado a todos por ajudarem este forum a crescer e desculpem o tamanho do texto Smile


Última edição por Brick em Qua Nov 25 2015, 23:08, editado 3 vez(es)

_________________
Não sou médico! Todas as informações prestadas sobre desmames têm como base uma experiência pessoal com antidepressivos e ansiolíticos e não substituem as recomendações dadas por pessoal qualificado!(Psiquiatra ou Médico de Família)
avatar
Brick
Admin
Admin

Mensagens : 5416
Reputação : 549
Data de inscrição : 29/10/2010
Localização : Viseu

Ver perfil do usuário http://www.ansiosos.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por monica ferreira em Qua Jul 03 2013, 19:24

Fogo Sad já sabia a tua historia por alto mas foi muito sofrimento !
este meu mau estar tambem deve estar relacionado com tanto medicamento que ja tomei ,agora para mim es um vencedor !sem palavras...

monica ferreira

Mensagens : 99
Reputação : 7
Data de inscrição : 05/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Vitor em Qua Jul 03 2013, 19:29

Uma história muito forte. Caramba não tenho muitas palavras para expressar a loucura que foram esses anos e sem que a solução surgisse ao fundo do túnel. Isto tudo para mim continua a ser um mistério: o cérebro e sistema nervoso central. Como se explica que uma pessoa até uma certa altura da vida é normalíssimo e de repente vê-se num buraco tão negro e incapacitante.
Quando a minha mulher me diz para não estar depressivo, digo-lhe para ela ir ao quadro da luz e desligar o disjuntor correspondente. Não existem botões para se fazer o click de desligar.

SÊ FELIZ BRICK

_________________
As minhas intervenções neste forum não visam de modo algum substituir o acto médico. Baseiam-se na minha experiência pessoal, de participantes deste forum e de outros. Cabe a cada participante do forum procurar aconselhamento médico, psicólogo ou outro pessoal qualificado.
avatar
Vitor
Moderador
Moderador

Mensagens : 887
Reputação : 85
Data de inscrição : 18/01/2012
Localização : Algarve

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Kity em Qui Jul 04 2013, 11:29

História mesmo forte e muito triste Brick.... tu mereces mais...e vai ter, vais ser muito feliz, acredita!
Smile
avatar
Kity

Mensagens : 622
Reputação : 147
Data de inscrição : 16/06/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por DAM em Qua Jul 10 2013, 14:15

Boa tarde,
A sua história diz-me muito porque vivo com um problema semelhante. A única diferença importante é que todos esses sintomas começaram ainda antes de ter começado a tomar medicação. Tudo o que refere e mais outros tantos sintomas estranhos e diversos começaram à cerca de 10 anos e ainda continuam. Uns desaparecem, outros permanecem todos os dias, nomeadamente as tonturas, desiquilibrio, dores de cabeça, visão turva. Diagnostico: ansiedade. Estranho, uma vez que não sou uma pessoa ansiosa ou nervosa. Mas enfim... agora estou a tomar PROZAC. Uns dias melhora, outros não. E a propósito da condução, isso para mim tornou-se um tormento. Espero um dia vir a perceber o que está na razão de ser de tudo isto. É um pesadelo diário. Vamos vivendo... pelo menos sei que há quem também passe pelo mesmo e portanto compreende o que é viver assim sem ter explicação nem resolução para o problema. Cumprimentos.

DAM

Mensagens : 1
Reputação : 0
Data de inscrição : 09/07/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Brick em Qua Jul 10 2013, 16:26

É mesmo um tormento, não desista, leia alguns relatos por aqui, tudo é possível, até a recuperação!

As melhoras!

_________________
Não sou médico! Todas as informações prestadas sobre desmames têm como base uma experiência pessoal com antidepressivos e ansiolíticos e não substituem as recomendações dadas por pessoal qualificado!(Psiquiatra ou Médico de Família)
avatar
Brick
Admin
Admin

Mensagens : 5416
Reputação : 549
Data de inscrição : 29/10/2010
Localização : Viseu

Ver perfil do usuário http://www.ansiosos.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por isaferreira em Seg Jul 15 2013, 12:52

Eu passei mais ou menos pelo mesmo Brick, mas o pior é que depois de começar os ataques de pânico, eu "fugia" do Liceu para casa e chorava muito, a minha mãe sem saber o que fazer, como tinha lexotan em casa na altura, começou-me a dar, e eu também me senti nas nuvens, e para parar o sofrimento ia todos os dias buscar um ao frasco, um dia senti-me mais nervosa e tomei dois, até cheguei a tomar 12 de uma vez, e depois como eu era muito jovem e na farmácia perto da minha casa me conheciam, e também nessa altura podia comprar medicamentos sem receita, comecei a comprar lá os comprimidos, eles pensavam que era para a minha mãe, nunca mais deixei, um dia a minha mãe apercebeu-se e quis tirar-me os comprimidos, fiz um escândalo com o pânico que fiquei, comecei a ir a psiquiatras e nunca mais deixei, já nem sei todo o tipo de medicação que já tomei, Sad e já lá vão 30 anos da minha vida estupidamente passada.
A carta nunca tirei, com grande desgosto meu porque tenho medo de ter um ataque de pânico a conduzir.
avatar
isaferreira

Mensagens : 216
Reputação : 16
Data de inscrição : 01/04/2013
Idade : 52
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por shibiuza em Seg Jul 15 2013, 13:24

Shocked 

Brick...sem palavras!!! Desejo-te tudo de bom e acredito que tudo te irá passar...

Espero conseguir largar o 1/4 de olcadil que me falta sem grandes "stresses"...

Muitas felicidades

_________________
Sempre a abrir sem olhar para trás...
avatar
shibiuza

Mensagens : 202
Reputação : 8
Data de inscrição : 20/02/2013
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Paciente em Sex Jul 19 2013, 01:24

Boas Brick!,

És sem sombra de Dúvida 1 grande Lutador e vencedor!

Fiquei muito comovido ao Ler toda a tua história e conforme lia, ia tentado imaginar o grau do teu sofrimento.
Jamais me passaria tal sofrimento que um ser Humano pudesse ter tido e ainda por mais durante tanto tempo.
Sublinhando também que não tiveste qualquer culpa no que tiveste de passar.

Obrigado por teres partilhado a tua história com todos nós Very Happy

Aproveito também para te dizer que criaste um Fórum de facto brilhante, aqui encontramos de tudo um pouco, sempre com o propósito de ajudarmos o próximo.
Pois é neste entre espírito de ajuda que eu quero estar inserido e fazer parte dele, pois é neste sentido que se fazem e permanecem excelentes Fóruns, como que é o caso deste.

Espero vir a participar fortemente e que consiga ajudar tantos quanto puder e que também eu possa vir a receber essa ajuda tão preciosa e tão indispensável.

Sinto-me feliz por sentir que cheguei a uma 2ª casa e que irei permanecer por tempo indefinido.



 Obrigado mais uma vez! Wink 






Cumprimentos
avatar
Paciente

Mensagens : 100
Reputação : 10
Data de inscrição : 18/07/2013
Idade : 29
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Kity em Sex Jul 19 2013, 10:38

É isso Paciente, tb senti isso e por isso aki permaneci! Uma grande verdade da vida que já interiorizei é que ninguém é alguém sozinho! ou seja, precisamos de todos para evoluir, para crescer, ninguém estando sozinho vinga! é a união que faz realmente a força! Juntos somos tudo! Smile
avatar
Kity

Mensagens : 622
Reputação : 147
Data de inscrição : 16/06/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Paciente em Sex Jul 19 2013, 14:07

Olá Kity! Very Happy 

Não podia concordar mais com a tua opinião, pois todos nós precisamos de alguém, seja para evoluir e não só.
Achas que seria possível se dependêssemos apenas de nós próprios para o que quer que fosse?
Então e quando nós adoecemos, somos nós próprios que nos auto-medicamentos ou vamos logo a correr á procura de alguém? neste caso, ao encontro de ajuda profissional.
Por isso, é de todo impossível não precisarmos uns dos outros.

E como tu dizes e bem, a União faz a Força! cheers 

Cumprimentos Wink
avatar
Paciente

Mensagens : 100
Reputação : 10
Data de inscrição : 18/07/2013
Idade : 29
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Kity em Sex Jul 19 2013, 14:13

Isso é foi um bom argumento para a minha expressão, muito bom Paciente! Ora nem mais! Smile
avatar
Kity

Mensagens : 622
Reputação : 147
Data de inscrição : 16/06/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por mrbombas em Qua Jul 31 2013, 11:10

uma grande história de vida, ao ler fui-me apercebendo de algumas coisas com as quais me identifico, ansiedade, desrealização, ataques de pânico e acima de tudo sofrimento invisível...

espero contribuir para a minha melhora e melhora dos outros também..
avatar
mrbombas

Mensagens : 861
Reputação : 90
Data de inscrição : 31/07/2013
Idade : 35
Localização : Fátima

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por andreiamlm em Qui Ago 15 2013, 19:20

admiro a tua coragem Brick eu tomei Paxpar durante alguns meses e decidi parar por não estar a sentir-me bem...parei tive sintomas muito estranhos e meses depois estava em depressão profunda...até hoje não sei explicar muito bem se o paxpar foi responsável ou não...fizdumyrox durante três anos e ajudou bastante e não teve nem nada que se parecesse de efeitos secundários. não me tornei contra antidepressivos porque sei que há casos que necessitam mesmo de tratamento como o meu mas de todos os que conheci acho dumyrox dos mais estáveis, mais conhecidos e mais seguro. PS: tomei fluoxetina, paroextina, e finalmente o dumyrox com algumas tentativas de triticum eoutros que tais...

andreiamlm

Mensagens : 4
Reputação : 0
Data de inscrição : 13/08/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por zahara em Ter Out 08 2013, 13:14

Brick,
Muitos parabéns por teres transformado as tuas aprendizagens e a tua história pessoal neste espaço tão importante para tantas pessoas.

É uma pena a nossa cultura e educação, no geral, não nos orientar mais para o auto-conhecimento e para aprendizagem em lidar com as emoções e reacções. Já imaginaste uma disciplina na Escola em que fosse ensinado aos alunos técnicas para aprender a lidar melhor com as emoções, por exemplo através da meditação, exercícios de respirarção, técnicas para pensar antes de agir. Acho que isso iria diminuir as idas a médicos de família, psiquiatras, etcs ( na idade adulta). Penso que no geral, somos um povo que foi educado a não exprimir sentimentos, a guardar para nós, a não partilhar, a aguentarmos o barco sozinhos...

Temos que viver com aquilo que temos e com o que somos Smile

É bom saber que não estamos sozinhos e as coisas partilhadas ficam sempre mais leves.
Espero também dar a minha contribuição.

Obrigada.

zahara

Mensagens : 13
Reputação : 5
Data de inscrição : 22/07/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por SORCIERE em Ter Out 08 2013, 18:50

parabens por estares a ultrupassar esta fase da tua vida e por tudo o que passas te!

SORCIERE

Mensagens : 95
Reputação : 2
Data de inscrição : 12/09/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por R.P. em Qui Out 24 2013, 17:10

Brutal! Shocked 

Revejo-me em algumas das tuas situações: mesma idade  de inicio, na universidade, os ataques de pânico, as tonturas... mas com a particularidade de cada um nestas situações.

E sim, são fases. Umas em que tudo corre bem e depois "algo" despoleta esses sintomas.

Tomara eu ter essa tua força e seguir-te como um bom exemplo!
O que consigo é vir aqui, ler relatos, compreender e tentar interiorizar que não estou só e que existem outras pessoas (infelizmente) que também não estão bem. Recarrego baterias e tento "formatar" a minha maneira de ser e de agir. Ser mais positivo!

Sim, também procuro ser "normal" como tantos outros. E hoje, curiosamente (ou não) é daqueles dias que fiz 350 km de carro, á "espera" que me desse uma coisinha má. Enfrentei os km´s, parei 4 vezes para urinar (de hora a hora), as tonturas, tentei controlar a respiração, tentei aceitar a minha condição e dizer a mim próprio que "já passa", "Não vou morrer", "sinto calor na cara mas é normal"..."estamos quase a chegar ao destino, está quase!. Resumindo: foi mau, muito mau.

E paralelamente a disto tudo, existia uma "voz" que insistia em dizer-me: "Não vou aguentar, não vou conseguir fazer o que tenho a fazer com, "quando chegar tomo a metade do comprimido e tudo isto desaparece..."

Mas ao que parece, resisti, fui adiando, ocupei o meu tempo e escrevi este testamento! Very HappyÁs vezes resulta!

Grande abraço, não só a ti,mas a todos os que passam por situações semelhantes (ou não).

R.P.

Mensagens : 48
Reputação : 1
Data de inscrição : 30/08/2012

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Ana9 em Qui Nov 21 2013, 20:30

Oh meu deus que sofrimento.. eu não vou aguentar isso tudo, não vou..

Ana9

Mensagens : 5
Reputação : 3
Data de inscrição : 20/11/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Alessandra Regina em Seg Dez 09 2013, 12:25

vc é um vencedor , depois de tanta luta conseguiu superar , tudo isso de ruim que aconteceu na sua vida e hoje vive sem remédios , mero sonho para mim ...
avatar
Alessandra Regina

Mensagens : 39
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Localização : SP - Brasil

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Cyber50 em Qua Dez 11 2013, 21:36

Brick, obrigado pela tua história, a minha não é muito diferente da tua, continuo a viver, passados 9 anos, com a dependência, de Paroxetina Alprazolam e Triticum, como eu te compreendo .
Abraço

Cyber50

Mensagens : 54
Reputação : 1
Data de inscrição : 11/12/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Joanna82 em Sex Dez 20 2013, 05:34

Hoje ao ler a tua história vejo que infelizmente não estou só, esta doença roubou me a minha vida assim como tu te sentes revoltado eu também!! Mas há uma coisa que sempre disse e digo eu vou voltar a viver e não a sobreviver e é com pessoas como tu, criando espaços de ajuda como estes que nós podemos entreajudar e também confortar!


Joanna82

Mensagens : 12
Reputação : 0
Data de inscrição : 20/12/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Alessandra Regina em Sex Dez 20 2013, 10:53

que triste , sempre sinto isso tb .....
avatar
Alessandra Regina

Mensagens : 39
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Localização : SP - Brasil

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por solnascente em Sex Dez 20 2013, 15:35

BRICK eu posso dizer que estou a aprender a viver novamente sem medicação e a realidade e aquela ao qual nascemos mas como se andava sob efeito da medicação a realidade e outra deves entender o que digo após o desmame.
avatar
solnascente

Mensagens : 48
Reputação : 1
Data de inscrição : 26/11/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Brick em Sab Dez 21 2013, 00:14

Percebo perfeitamente. Há um filme que retrata a 100% o que sentia. "Limitless"

_________________
Não sou médico! Todas as informações prestadas sobre desmames têm como base uma experiência pessoal com antidepressivos e ansiolíticos e não substituem as recomendações dadas por pessoal qualificado!(Psiquiatra ou Médico de Família)
avatar
Brick
Admin
Admin

Mensagens : 5416
Reputação : 549
Data de inscrição : 29/10/2010
Localização : Viseu

Ver perfil do usuário http://www.ansiosos.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Drake em Seg Fev 17 2014, 21:08

Olá Brick!

Realmente... tudo isso ter começado por causa de dores musculares, nem sei o que diga! Mas parece que agora é costume os médicos receitarem Diazepam como relaxante muscular, porque essa até é uma das indicações constantes na bula do medicamento. Mas não deixa de ser um benzodiazepínico, que causa uma elevada dependência física e psicológica, enfim, o problema é começar neste tipo de drogas.

Obrigado pelo teu testemunho! Aproveito para agradecer a todos/as os que participam neste fórum, faz-nos bem sentir que não estamos sozinhos neste tipo de problemas e sintomas.

Grande abraço e muita força para tod@s!

Drake

Mensagens : 3
Reputação : 0
Data de inscrição : 16/02/2014

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha história

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum