Últimos assuntos
» Quando a minha mente chegou ao limite...
Ontem à(s) 19:49 por viper

» desmame tercian
Ontem à(s) 19:39 por joao_003

» Eu não sei mais o que fazer
Qui Abr 27 2017, 21:30 por rafaelvoodoo

» Depois do desespero
Qui Abr 27 2017, 20:21 por rafaelvoodoo

» Desmame de Alprazolam 0,25
Qui Abr 27 2017, 14:03 por Ingrid_K

» Desmame Sertralina
Qui Abr 27 2017, 02:09 por Cristiane Aparecida Lessa

» desmame Sertralina
Qui Abr 27 2017, 01:56 por Cristiane Aparecida Lessa

» Ansiedade/ disturbio mental
Ter Abr 25 2017, 19:03 por ester

» Ataques de Pânico e Agorafobia
Seg Abr 24 2017, 17:20 por guevara

» opressão vs depressão
Dom Abr 23 2017, 22:54 por 1006

Quem está conectado
24 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 24 Visitantes

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 52 em Sab Fev 01 2014, 18:10

Minha História, Minhas Opiniões

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Minha História, Minhas Opiniões

Mensagem por JohnDoe em Seg Nov 22 2010, 23:14

Boa noite a todos.

Ja à muito tempo que acompanho o outro forum mas nunca resolvi escrever nada. Vou aproveitar que este 'está novo' para escrever o meu desabafo.
Não sou dos mais antigos que por la andam...mas já cá estou a algum tempo para me lembrar de muitos membros que eram activos e desapareceram (aqui fica logo a minha primeira dúvida, ficaram curados?!?! Caso tenham ficado, nao entendo porque não vieram dar o seu feedback positivo que tanto nos faria bem.


Antes de mais, sou mais um como voces sendo a minha história muito similar a muitas contadas aqui anteriormente..
Tudo bem comigo, jovem em plena vida activa, até que um dia, misteriosamente aparece-me um mal estar intenso...culminando no primeiro ataque de panico. Isto aconteceu-me em plena viagem de aviao sobre o Oceano Atlantico. Após aquela luta que todos conhecem, meia hora depois vomitei e os sintomas caracteristicos começaram a acalmar...Como é obvio, aquela estranha situação marcou-me, e apartir desse dia os pensamentos sobre uma possivel recorrencia de uma situação igual foi-me atormentando sem que alguma vez tenha comentado com alguem, ou procurado ajuda.
Desde esse dia até a minha primeira grande crise, passou-se à volta de 1 ano...Tinha marcado uma viagem para a Tailandia com amigos, mas o medo de me acontecer denovo a tal situação foi-me atormentando durante o tempo que esperava pela data da viagem... O medo foi acumulando, ate sensivelmente uns 15 dias antes do dia da partida, onde "explodi" e tive a minha primeira grande crise.
Nessa altura estava em plena epoca de exames, o que como é obvio foi abandonada. De repente vi-me envolto num turbilhao de sentimentos que nao conseguia controlar, sendo que a primeira decisao foi deixar os exames para outro ano, o que resultou no chumbo do ano. Completamente perdido, desabafei com a minha mae, e sem encontrar outra saida, desloqueime a um psicologo que me encaminhou para um psiquiatra. Logo na primeira consulta, acalmou.me e disse que em 6 meses no maximo estava novo (historia ja conhecida...), receitando-me Paroxetina, e Victan para SOS (ja nao me lembro se tambem nao receitou Inderale). Como a maioria de nos, rapidamente virei-me para a internet como fonte de informação, em busca da solução milagrosa.

Nos primeiros tempos não sei se me fez bem ou mal, tendo em conta que por vezes nao estava preparado para ler algumas coisas que descobria, o que resultava numa piora do meu estado, mas acho que faz parte do processo.
Tendo em conta o estado que estava, que chega-se ao ponto de ter medo da própria medicação (mesmo antes de ler tanto feedback negativo sobre eles), aliado à minha própria resistência em tomar medicamentos, optei por não tomar o que me foi receitado. No entanto, decidi seguir as consultas no psiquiatra, como se de um psicologo se tratasse, onde desbafava e tentava encontrar soluções (excepção de 2 ou 3 situações, onde tomei 1 victan visto estar completamente desesperado).


Após passados 4 anos, aqui estou eu, nesta luta diária contra esta maldita.

Em primeiro lugar quero dizer a todos os que estão a passar por isto agora, que por mais que pareça que isto não irá melhorar, melhora!! Isso é garantido.
Lembro-me de nos primeiros tempos (uns meses), diariamente pensava que não ia melhorar, e se não melhorar não iria conseguir viver em tamanho estado de ansiedade. Por vezes, sentia-me melhor, mas bastava um dia sentir-me pior para toda a esperança vir por agua abaixo.
Entretanto, pelo menos no meu caso continuo a viver com sintomas pontuais. Estes sintomas não me impossibilitam de fazer a minha vida diária, mas no entanto retiram-me muita qualidade de vida.
Após a minha grande crise, consegui terminar o meu curso, comecei a trabalhar e estou neste momemento a realizar um mestrado. Realizei também algumas viagens, ou seja, tudo é possivel. Agora não escondo que, pelo menos no meu caso, muitas destas coisas seriam muito mais prazeirosas caso não tivesse esses sintomas pontuais. Por vezes uma viagem (de ferias) que deveria ser uma fonto de 100% de prazer, torna-se em 50% prazer, 50% de sofrimento visto estar em constante alerta com medo que me de alguma coisa quando estou longe de casa.


Em relação à minha situação, ainda não consegui descobrir a 100% o que me causa isto, de modo a conseguir lidar melhor e/ou eliminar estes sintomas.
A minha fase aguda, penso que foi muito ajudada pelo facto de durante uns 5 anos que antecederam à grande crise, eu fumava diariamente uma GRANDE quantidade de haxixe de boa qualidade (ou seja, muito forte). Durante esses anos, apesar de fumar diariamente (varias vezes ao dia, ou melhor, de manha à noite) eu sempre realizei as minhas tarefas/obrigaçoes.

Após aprender a lidar com essa grande crise, onde deixei de fumar completamente (nem tabaco fumo), nunca mais tive uma fase tão má quanto àquela, mas no entanto, continuo a ter fases melhores e fases piores, a diferença é que as fases piores nunca chegam ao nivel que teve essa fase muito má.
Sendo assim, penso que um dos grandes catalizadores de ter chegado àquela estado foi o facto de fumar.

Agora aquilo que realmente me intriga, e que até hoje não consegui arranjar solução, é eliminar a 100% estes sintomas de mau estar, angustia, ansiedade.
De momento fasso consultas de psicoterapia de modo a tentar alterar a minha forma de pensar/ver o mundo, visto que penso que grande parte da culpa de ter estes sentimentos advêm da forma como vemos a nossa realidade.

Um dos meus problemas, é não conseguir desabafar a 100% com a psicologa sobre aquilo que realmente me intriga. O facto de sermos anonimos neste forum ajuda a que possamos desabafar a 100% e sendo assim, posteriormente vou desabafar aqui e quem quiser poderá dar a sua opinião que eu fico agradecido.

Para além disso, conforme for tendo tempo, irei escrevendo sobre as minhas opinião sobre assuntos relacionados com esta maldita.


Boa noite e um abraco para todos

JohnDoe

Mensagens : 3
Reputação : 0
Data de inscrição : 22/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Minha História, Minhas Opiniões

Mensagem por Brick em Ter Nov 23 2010, 21:03

Olá John Doe!
Bem-vindo.

De facto todos os sintomas melhoram após 3 anos sem tomarmos medicação, é preciso é ser muito forte. O mais tradicional é irmos ao médico e tomarmos ansiolíticos, bla bla bla... e até ajudam a ultrapassar situações pontuais. Para tratar problemas de ansiedade e pânico têm primeiro de descobrir onde está realmente o problema, há já algumas teorias como uma sobrecarga suprarenal, mas nada confirmado. teremos mesmo de aguentar e esperar por melhores fármacos. entretanto há outras alternativas como acupunctura, meditação, reiki, suplementos, etc...
Não há que baixar os braços.

avatar
Brick
Admin
Admin

Mensagens : 5384
Reputação : 549
Data de inscrição : 29/10/2010
Localização : Viseu

Ver perfil do usuário http://www.ansiosos.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Minha História, Minhas Opiniões

Mensagem por JohnDoe em Qua Nov 24 2010, 21:36

Olá Brick! Obrigado Smile

Pegando na tua deixa em relação à toma ou não de medicamentos, vou deixar aqui a minha opinião.

Em primeiro lugar quero dizer que não passa da opinião que fui construindo e que não acho que invalida qualquer outra opinião contrária. (sei que existem pessoas a favor da toma e outros contra)

Bem eu acho que tudo na vida tem de ser visto de vários prismas e ponderado correctamente.
Este é um tema muito sensivel para nós panico-ansiosos, questionando-nos diariamente sobre se devemos ou não tomar medicamentos.

Como já referi, no meu caso eu optei por não tomar os medicamentos receitados pelo psiquiatra, visto que na altura estava tão mal, que até medo de tomar medicamentos eu tinha. Comecei depois por ler tudo e mais alguma coisa que encontrava na internet, e achei que deveria tentar resistir o máximo sem tomar.

A verdade é que consegui superar (em parte, ou seja, eliminei os sintomas agudos, mas continuo com sintomas embora em nivel muito mais fraco), sendo que hoje em dia nunca mais tive um ataque de panico fortissimo, mas continuo com sintomas de ansiedade, tendo alturas melhores e outras piores. Utilizando a nomenclatura que os medicos dão e fazendo o meu auto-diagnóstico, acho que passei de transtorno de panico para transtorno de ansiedade generalizada.


No entanto, não quer isto dizer que sou contra a toma de medicação por quem está a sofrer.
No meu caso, durante uns tempos, apesar de resistir à toma, dizia a mim mesmo, ou a situação melhora e os sintomas dão uma acalmada, ou então iria optar por tomar os medicamentos.
Quero isto dizer que acho que em casos em que a situação se torna insustentavel, onde achamos que viver assim não dá mesmo, a toma da medicação será o melhor caminho.

No meu caso, quando estou +/-, continuo a pensar e tentar resolver isto à minha maneira sem recorrer a medicamentos mas sim a outras terapias (já recorri também a acumpultura, mas mais para outro problema que tenho, sinusite cronica, que poderá ter-me dado alguns beneficios mas nada de grande diferença ao nivel das ansiedades. junto com a acumpultura também tomei algumas vitaminas e outras coisas, mas não senti grandes melhorias...cada terapia funciona de maneira diferente com cada um).

No entanto, em alturas em que estou menos bem, estando farto de ter sintomas residuais que antes de isto tudo aparecer eu nao tinha (eu fasso a minha vida 'normal' mas isso não invalida que não tenha sofrimento em fazer as coisas que preciso: fico sempre à espera que apareça um momento muito mau e que me obrigue a ter que desistir do trabalho; outra situação é com as viagens, adoro viajar, mas muita vezes não o faço devido a isto, ou outras vezes faço mas acabo por sofrer com isso) ponho em questão se não me faria bem tomar um antidepressivo de modo a ver se eliminava os restos que sobram e durante uns tempos conseguir me sentir como antigamente (mesmo de forma artificial), e ainda esperar que comigo funcionasse a 100% como pregoam e talvez ficar 'curado' durante uns bons tempos.


Surge-me é logo a aquestão de que serão os medicamentos realmente positivos para nós, ou apenas atenuam a situação por tempos, piorando-a posteriormente?

O problema é se a coisa corre mal...e em troca de um periodo mais ou menos longo de bem estar provocado pelo antidepressivo, seja pago posteriormente por um longo periodo de muito mau estar.


Em relação aos medicamentos fala-se também muito em conspirações das industrias farmaceuticas, psiquiatras, etc, sendo que considero que deverão existir muitos jogos de bastidores, onde estudos são aldrababos, consequencias da toma são escondidas, mas algum ponto de verdade (ou seja, eficacia) os medicamentos devem ter.
Eu por exemplo tenho uma familiar psiquiatra (nunca me consultei com ela), e sei que já receitou antidepressivo ao filho dela, logo acho que se ela achasse que aquilo só lhe fizesse mal não lhe ia receitar, mas também não sei se apesar de ela ser psiquiatra não será mais uma enganada pela mafia/industria farmaceutica.


Resumindo, eu acho que a toma ou não dos medicamentos deve ser analisada situação a situação, sendo que nuns casos acho que terá um efeito muito benéfico, nem que seja temporario de modo a dar possibilidade da pessoas procurar outras formas de resolver os seus problemas, e noutros casos terá pouco ou nenhum efeito, contribuindo de forma negativa visto que perdemos mais um escape que pensamos ter caso a coisa piore muito e levando ao aparecimento de outros sintomas (isto pelo que leio pessoas dizerem).

Como o Brick diz, não há que baixar os braços e lutar diariamente para a nossa melhora que isto devagar vai indo lá Smile

JohnDoe

Mensagens : 3
Reputação : 0
Data de inscrição : 22/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Minha História, Minhas Opiniões

Mensagem por Brick em Qua Nov 24 2010, 22:01

Eu por exemplo tenho uma familiar psiquiatra (nunca me consultei com ela), e sei que já receitou antidepressivo ao filho dela, logo acho que se ela achasse que aquilo só lhe fizesse mal não lhe ia receitar, mas também não sei se apesar de ela ser psiquiatra não será mais uma enganada pela mafia/industria farmaceutica.

Este é o problema, a indústria farmaceutica. É ela que inventa doenças para as quais até já têm comprimidos. comprimidos que não serviram para curar x doença são usados para curar doença y, não se podem estragar os comprimidos e deitar por água abaixo anos de investigação.

Uma investigação levada a cabo pela bbc explica tudo.

http://www.youtube.com/watch?v=99RWfNVJKlo
avatar
Brick
Admin
Admin

Mensagens : 5384
Reputação : 549
Data de inscrição : 29/10/2010
Localização : Viseu

Ver perfil do usuário http://www.ansiosos.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Minha História, Minhas Opiniões

Mensagem por JohnDoe em Qua Nov 24 2010, 23:26

Vi por alto o documentario e pelo que percebi, foca muito a possível relação entre a toma de paroxetina e o suicidio, especialmente em crianças.

Como eu disse, tenho a ideia que o lobby das farmaceuticas é extremamente poderoso, sendo que tendo em conta que uma farmaceutica é uma empresa, e logo o objectivo final é o lucro, tentam omitir toda e qualquer informação que lhes dificulte atingir esse lucro, ou seja, os aspectos menos bons dos medicamentos que vendem.

No entanto também acho que alguns documentarios,artigos,etc (este até nem foi muito o caso) tornam-se demasiado exagerados na conspiração e levam as coisas a um ponto que parece que todos os medicamentos que as farmaceuticas vendem não são mais do que placebos com apenas um alto teor de adição feitos para ganharam milhões.

Nos medicamentos relacionados com problemas do foro mental, acho que estes até devem ter uma certa eficácia, o que acontece é que essas empresas podem 'alavancar' os valores de eficácia que os estudos demonstram, assim como omitir os aspectos menos bom que são descobertos.

Sinceramente o que eu gostava de ler em todo o lado que pesquiso, é que toda a gente fica melhor com a sua toma e sem efeitos secundarios de maior, que assim eu ia logo tomar para ficar a 100%.

Por agora, como as coisas ainda não são assim, vou tentando melhorar à minha maneira, ou então esperar que a medicina evolua e descubra o remédio que todos procuramos.

Mais uma vez ressalvo que não ponho a 100% de parte a hipotese de vir a tomar medicamentos (mesmo que continuem a existir apenas os que já conhecemos), no caso achar que o meu estado não é suportável...


Uma última achega...uma coisa que sempre achei curiosa é o facto de os antidepressivos (medicamentos à partida vocacionados para o tratamento da depressão) serem medicamentos de primeiro linha para o tratamento da ansiedade. isto está muito relacionado com uma questão que tenho..

A depressão gera ansiedade ou é a ansiedade que gera depressão? Ou são coisas completamente diferentes?!

Abracos

JohnDoe

Mensagens : 3
Reputação : 0
Data de inscrição : 22/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Minha História, Minhas Opiniões

Mensagem por flordelotus em Qui Nov 25 2010, 16:42

JohnDoe escreveu:

A depressão gera ansiedade ou é a ansiedade que gera depressão? Ou são coisas completamente diferentes?!

Abracos

A depressão pode gerar ansiedade sim senhor mas ansiedade nem sempre gera depressão porque uma pessoa pode ser ansiosa e fazer uma vida normal e a sua ansiedade vir do stresse que a pessoa é sujeita e se sujeita.

Tudo depende dos quadros emocionais em que se encontra um pessoa, mas um exemplo da morte dum familiar especial pode gerar rapidamente um quadro depressivo levando a uma ansiedade aguda pela falta da pessoa.

Tudo de bom e mantém-te forte e faz tudo pelo melhor que saibas. Não penses que vais precisar dos medicamentos e pensa em coisas bem positivas e repete-se ao longo do dia.

flordelotus

Mensagens : 32
Reputação : 2
Data de inscrição : 02/11/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Minha História, Minhas Opiniões

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum