Últimos assuntos
» SENTINDO SOZINHA, RODEADA DE DE GENTE
Ontem à(s) 01:50 por Gustavo B

» Ansiedade e Hipocondria
Sab Nov 17 2018, 12:22 por CELIA GONÇALVES

» Um tabu entre clonazepam e alprazolam
Sex Nov 09 2018, 01:21 por LP0956

» 3 dias sem Paroxetina
Qua Nov 07 2018, 22:55 por Gustavo B

» Medicação para ansiedade
Ter Nov 06 2018, 00:31 por LP0956

» Rivotril ou Xanax para aliviar a abstinência causada pelo fim do efeito do Venvanse no final do dia?
Seg Nov 05 2018, 16:32 por LP0956

» Antidepressivos x vitaminas
Dom Nov 04 2018, 19:03 por Brick

» Mirtazipina
Seg Out 29 2018, 22:09 por Gustavo B

» Se não se morre da doença morre-se da cura!
Seg Out 29 2018, 16:37 por analobo

» Vida paralela
Seg Out 29 2018, 16:35 por analobo

Quem está conectado
8 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 8 Visitantes

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 65 em Seg Jan 01 2007, 03:04

O meu relato.

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por 1006 em Ter Fev 21 2017, 23:49

Ahahah

Estou-me a rir de nos estar a visualizar a escolher cenário para ir ao lixo...
Sério, isto é comico.

E eu hoje que pintei o cabelo e as unhas porque ia ao psicólogo?? Ele quando olhou para mim deve ter pensado tudo, menos aquilo que estava prestes a ouvir....

1006

Mensagens : 119
Reputação : 10
Data de inscrição : 10/11/2016
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por viper em Ter Fev 21 2017, 23:53

Sinceramente, já acho que a maioria das pessoas que anda na rua anda com medo do que os outros estão a pensar Very Happy e na prática cada um com o seu medo ninguém vê nada

viper

Mensagens : 136
Reputação : 15
Data de inscrição : 30/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por 1006 em Ter Fev 21 2017, 23:56

Muito provavelmente é isso.

É como o FB, o Instagram... parecem pessoas de sucesso, mas as que conhecemos melhor sabemos que é só fachada.

1006

Mensagens : 119
Reputação : 10
Data de inscrição : 10/11/2016
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por viper em Ter Fev 21 2017, 23:58

Há medos que nós exageramos. Mas há outros que quase todas as pessoas sentem e que também não fazem sentido nenhum. Por exemplo, uma mulher não tem vergonha nenhuma de estar na praia de bikini à frente de um amigo, mas já tem se for dentro de casa.
A mente humana é mesmo complicada...

viper

Mensagens : 136
Reputação : 15
Data de inscrição : 30/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por 1006 em Qua Fev 22 2017, 00:02

Eu acho ambas as situações desconfortáveis.
No verão passado até andei a explorar as praias dos nudistas, por terem menos gente.... Mas depois aparecem uns tarados, acabou por não ser uma experiência positiva.

1006

Mensagens : 119
Reputação : 10
Data de inscrição : 10/11/2016
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por 1006 em Qua Fev 22 2017, 00:05

E outra mesmo muito mas muito absurda: não consigo fazer chichi se estiver alguém por perto....

1006

Mensagens : 119
Reputação : 10
Data de inscrição : 10/11/2016
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por twiggysp em Qua Fev 22 2017, 18:00

Eu quando era mais novo não conseguia ir à praia de calções e chinelos, levava sempre calças e ténis! Na praia ficava muito tempo debaixo do chapéu e para ir à água tinha de ser acompanhado. Hoje em dia estou melhor (a dismorfofobia foi das poucas coisas que consegui controlar ao longo destes anos) mas ainda não sou capaz de passear à beira-mar.

Uma das minha psicólogas costumava dizer que na praia os homens olham para as mulheres, e as mulheres olham para...as mulheres! LOL E que não teria de me preocupar com isso.

Fazer chichi...só na sanita. Evito ao máximo os urinóis!

Por falar em chichi, eu urinei na cama até aos 12 anos. Já se mostravam os sintomas de ansiedade, mas na altura ninguém os conseguiu entender.

twiggysp

Mensagens : 18
Reputação : 0
Data de inscrição : 16/02/2017
Idade : 35
Localização : Sesimbra

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por 1006 em Qua Fev 22 2017, 18:31

Ir à água, quando estou na praia, actualmente ainda é feito com muito esforço. Quando era miúda/adolescente, nunca ia sozinha.
Hoje em dia sinto-me um pouco como a Cercei Lannister naquela cena 'walk of shame'. Sinto-me exposta e sob o escrutínio de todo o mundo. Por isso, ando sempre à procura, aqui na zona, de praias com menos pessoas. Outra forma que arranjei para resolver isso, é ir para a praia muito cedo, quando não está ninguém, e vir embora por volta das 10, ou então ir a partir das 17h. Assim não apanho tanto calor, já não sinto necessidade de ir à água.

Mas.... hoje já fui à arrecadação!! Smile Já me fartei de rir, aqui sozinha, a lembrar as nossas confissões e como são palermas.

E ir a lojas e sentir-me obrigada a comprar qualquer coisa, mesmo que não precise, para não acharem que fui lá roubar?



1006

Mensagens : 119
Reputação : 10
Data de inscrição : 10/11/2016
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por viper em Qua Fev 22 2017, 20:44

Praia nunca tive problemas, é das coisas que mais gosto de fazer e onde sinto maior contacto com a natureza.
Isso das lojas, também me acontece, principalmente quando são espaços pequenos Very Happy Outra das coisas que não gosto de fazer, é ir devolver/trocar qualquer coisa, não sei porquê sinto-me mal...

Parabéns por teres ido à arrecadação!! Pequenos passos mas que ajudam muito Smile

O problema é que passamos muito tempo a evitar estas situações, e apesar de sabermos que são situações idiotas, o nosso cerébro já ficou com a percepção errada. Por isso só enfrentando os nossos medos, e ao enfrentá-los, parar para pensar como é estúpido o que estamos a sentir, iremos corrigir as más percepções do cerébro. Começar com pequenos passos até conseguir dar passos maiores. É voltar a ser bebés de novo Very Happy

viper

Mensagens : 136
Reputação : 15
Data de inscrição : 30/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por 1006 em Qua Fev 22 2017, 23:17

Sim, foi muito positivo ter ido à arrecadação. Parece insignificante, mas não é.

Ontem também foi importante ter-me arranjado, ter ido a Lisboa, ter saído um pouco aqui da "solitária". Interagir com pessoas. Sentir-me válida.

Ainda ando a lutar para organizar a minha casa. Tinha uma pilha enorme de roupa para passar... detesto passar roupa, mas já está quase concluído. Falta depois o resto... Não consigo funcionar sabendo que as coisas estão desarrumadas. Mesmo que seja o interior de uma gaveta. Cada vez que os meus olhos lá passam, a desarrumação "fala" comigo. Mas depois ao mesmo tempo, consigo ser bem desarrumada... onde mexo, lá fica... raio de contradições.

Viper: das pessoas que aqui tenho lido, pareces-me sem grandes problemas, tens sempre uma visão optimista, não tens grandes stresses, pareces aceitar a tua vida, qual é a tua receita?


1006

Mensagens : 119
Reputação : 10
Data de inscrição : 10/11/2016
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por viper em Qui Fev 23 2017, 10:43

Não é bem assim, falar ou neste caso escrever, sempre é fácil Smile

Tenho problemas de ansiedade/timidez/fobia social, nunca me causaram grandes problemas e não me impediam de fazer nada até há uns anos atrás em que comecei a sentir sintomas fisicos, como tonturas, que me começou a limitar a vida. Comecei a ter medo (mais uma vez medo completamente estúpido) de ir a espaços fechados com muita gente (restaurantes, centros comerciais, lojas,...). Medicação, principalmente os ADs, não me ajudaram. No início deram-me a falsa ilusão que estava tudo bem, mas acho que só ajudaram a piorar (problema continuava, mais constantes dores de cabeça entre outras coisas). Desmames malucos (sempre da forma que os médicos indicavam) também não ajudaram, mas depois da maneira correcta livrei-me deles. Nesta altura sinto-me melhor sem eles do que com eles, mas não tenho o problema resolvido. Não estou 100% livre da medicação, tomo de vez em quando metade de um victan em casos de maior stress.
Também não resolvi o problema, sempre que vou a algum lado, aparento ser uma pessoa "normal" mas estou todo a tremer por dentro Very Happy

Neste momento aceitei que tenho o problema (houve alturas que desejei que fosse algum problema físico no cérebro, tiróide, ... é sempre mais fácil justificar socialmente), sei que está dentro de mim o problema e a resolução e estou a lutar. Passei a fase da constante tristeza, e agora tento ser o mais positivo possível e acredito que vou conseguir Smile Deixei de me comparar com outras pessoas e de ligar ao que outros dizem. Objectivos tinha/tenho muitos, mas agora o maior é ultrapassar isto a 99% (tenho noção que a 100% será dificil, porque a timidez sempre fez parte de mim desde pequeno). Claro que passo por altos e baixos, mas não me deixo ficar muito tempo em baixo. Há muitas coisas que ainda quero fazer/ver nesta vida, por isso a palavra de ordem agora é só lutar, lutar, lutar!! Smile

viper

Mensagens : 136
Reputação : 15
Data de inscrição : 30/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por 1006 em Qui Fev 23 2017, 11:14

Sempre achei que a dinâmica entre irmãos, ajudasse a ultrapassar esses problemas.
----
Sabes, fiquei a pensar no que disseste no outro dia. Consideramos os outros normais, mas às tantas estão exactamente como nós... Quem me vê, não imagina os problemas que tenho, as minhas lutas constantes comigo própria. Às tantas andamos todos aí a sofrer do mesmo, entramos num espaço e todos têm as suas inseguranças.

Não é por acaso, que muitas vezes os suicidas apanham quem os rodeia e conhece, de surpresa. Até a própria família. Partimos, erradamente, do pressuposto que os outros são normais e colocamos-nos abaixo.

Hoje gostava de estar com a tua energia. Smile

1006

Mensagens : 119
Reputação : 10
Data de inscrição : 10/11/2016
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por viper em Qui Fev 23 2017, 11:40

Olha que tenho poucas dúvidas em relação a isso, basta ver que Portugal é o terceiro país do mundo onde se consome mais antidepressivos...

Desculpa twiggysp, monopolizamos o teu post Very Happy

viper

Mensagens : 136
Reputação : 15
Data de inscrição : 30/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por 1006 em Qui Fev 23 2017, 11:41

volta, André... desculpa as minhas divagações... Smile

1006

Mensagens : 119
Reputação : 10
Data de inscrição : 10/11/2016
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por twiggysp em Qui Fev 23 2017, 15:28

Eheh... Very Happy

Estão à vontade.
Reparei que tem havido "improves", 1006. Agora é como o viper diz, lutar, lutar, lutar.

Eu ontem fui posto à prova e tive de fazer o que não gosto: confrontar; e ao mesmo tempo ser assertivo (coisa que o meu cérebro tem a mania de achar que não sou capaz). Foi com a minha mãe, que se anda a portar muito mal, mas mesmo assim ia bastante apreensivo. O resultado foi bastante positivo, consegui falar com ela e assertivamente. Ao início o discurso foi algo atabalhoado mas depois fui ganhando confiança e a coisa deu-se.

Hoje sinto-me com remorsos (embora tenha feito o correcto) e com um pouco de pena dela. Sei que ficou triste e isso abala-me. Eh...ter uma mãe que pensa ter 15 anos e que a vida é como nas novelas não é fácil!

twiggysp

Mensagens : 18
Reputação : 0
Data de inscrição : 16/02/2017
Idade : 35
Localização : Sesimbra

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por 1006 em Qui Fev 23 2017, 16:43

Fico contente por ti. As nossas conversas e partilhas estão-nos a ajudar, assim o espero.

Hoje saí de casa, fui ao shopping, obriguei-me a entrar em lojas e sair, sem fazer compras, ultrapassar o "complexo do gamanço". Circular, ver pessoas...

Mas estou mal, não sei se é do tempo e daquela fase do mês, andava lá, só me apetecia chorar. Tristeza, vazio.

Não sei se fiz bem em parar a medicação. Pronto, ser borderline, é muito isto, estamos bem e de repente já não, mas depois já estamos outra vez. E agora?...

****

Às vezes também temos de ser duros com os pais. Se fizeste o correcto, não te sintas mal por isso.


1006

Mensagens : 119
Reputação : 10
Data de inscrição : 10/11/2016
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O meu relato.

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum