Últimos assuntos
» Zolpidem e Anafranil
Hoje à(s) 16:46 por Brick

» Palpitações constantes...
Hoje à(s) 02:03 por Me

» Despersonalizacao
Ontem à(s) 14:22 por Contablogue

» SENSAÇÃO DE DESMAIO AO FECHAR OS OLHOS PARA DORMIR...
Ontem à(s) 10:49 por Duarte

» Zumbido (?)
Qua Nov 22 2017, 12:44 por Marta

» DESMAME DE ANTIDEPRESSIVOS E ANSIOLÍTICOS
Dom Nov 19 2017, 23:05 por Brick

» Extra sistoles , palpitações
Dom Nov 19 2017, 01:52 por Me

» Valdoxan.. efeitos secundários
Sab Nov 18 2017, 16:20 por Convidado

» Como ajudar uma pessoa com ansiedade?
Sab Nov 18 2017, 09:48 por ester

» Ciência, Ansiedade e Ayahuasca
Sex Nov 17 2017, 12:52 por Bruno Valentim

Quem está conectado
9 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 9 Visitantes

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 57 em Qui Maio 25 2017, 20:26

Lições pessoais para as pessoas do fórum.

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Lições pessoais para as pessoas do fórum.

Mensagem por Sobrevivente em Ter Set 05 2017, 04:45

Amigos.

Eu vou relatar o que aconteceu comigo. De 2012 a 2015 eu usei doses altíssimas de benzodiazepínicos. Eu tinha ansiedade extrema, ao ponto das pessoas ignorantes confundirem a minha ansiedade com sintomas de esquizofrenia. Digo que são pessoas ignorantes, pois quem estuda os transtornos de estresse pós-traumáticos sabe que os sintomas de paranoia após experiências traumáticas fortes se confundem com sintomas de paranoia da esquizofrenia. Um leigo, sem estudo e treinamento não saberia diferenciar com propriedade as duas coisas.

Eu tinha uma ansiedade extrema, causada por uma experiência traumática muito forte, que é algo muito pessoal e não posso relatar aqui. Eu saía de casa e quando tinha as crises, eu chorava no meio da rua. O coração acelerava muito forte e o ar faltava. Então, vinha uma série de pensamentos suicidas, medo e vergonha por estar passando por aquilo.

Eu evitava sair de casa a qualquer custo. Eu me lembro de sempre tomar um comprimido de alprazolam para sair de casa. Sempre eu fazia isso. Durante um tempo eu achei que fosse impossível fazer qualquer coisa sem estar dopado. Eu vivia dopado de alprazolam. Eu sabia que aquilo não era vida. Eu era escravo do remédio. Todo mês era aquela contagem de quantos comprimidos faltavam.

Eu comecei a tentar o desmame a partir de 2012. Eu tive as crises de abstinência mais terríveis que um ser humano pode ter. Eu cheguei a tremer e chorar, com dores de cabeça extrema, insônia por dias, palpitações insuportáveis, calafrios. Achei que seria impossível ter uma vida normal. Eu chorava de dor e culpa. Eu sentia uma culpa intensa por não ser capaz de vencer o remédio. Depois que eu voltava a tomar o remédio, após 3 dias sem usar, eu chorava muito. Eu me sentia o ser mais fracassado do mundo.

Depois de muito tempo, eu descobri esse fórum e muitos outros. Eu li todas as tabelas de desmame, estudei os remédios, seus efeitos colaterais. Essa informação foi útil. Então eu finalmente comecei a fazer o desmame com diazepam. Eu me lembro que tentei a fazer isso em 2013, consegui ter êxito, mas vivi um vida terrível, parecia que estava com 500 mg de cafeína o dia inteiro. Não aguentei. Tentei muitas vezes, mas sempre regredindo, após episódios terríveis de ansiedade na rua, pânico. Só em 2015, eu consegui melhorar, mas ainda fiquei muito tempo com ansiedade forte, como se estivesse super acelerado. Mas amigo, aos poucos estou melhorando e muito.

Eu consegui parar de tomar remédios tarja preta, benzodiazepínicos e tudo mais. Mas isso teve um preço altíssimo, minha saúde. Contudo, eu tive que fazer uma escolha. Ser escravo desses remédios, ou aceitar minha dor e ter uma vida mais autêntica e natural. Eu escolhi aceitar a minha dor. Viver dopado é muito ruim. Eu sofro muito. Tenho problemas cardíacos e de ansiedade, dores gástricas e intestinais. A ansiedade literalmente detonou o meu corpo e tirou talvez 20, 30 anos de vida de mim. Mas eu tinha uma escolha, viver como um vegetal, sem emoções, sendo tudo artificial. Até o orgasmo é sem potência. Nada tem efeito genuíno. Eu prefiro ser natural, eu prefiro viver sem remédio, sentir a vida, sentir a realidade sem estar dopado.

O que eu mudei é procurar alternativas aos remédios.

Tentei a hipnose, mas não deu certo. Eu ficava uma hora deitado, escutando audios. Eu fiz meus próprios audios. Eu usava sugestões. Eu fiz tudo o que era possível. Mas isso não resolveu. Se a hipnose não resolve rápido, ela pode piorar o problema, porque aumenta o pessimismo, a sensação de que não existe mais recursos disponíveis. Eu percebi que boa parte do problema decorria da culpa em aceitar minha doença, então comecei a usar todos os recursos mentais que eu tinha.

Se você quer realmente se ajudar e melhorar um pouco. Não ficará curado, mas irá melhorar certamente. Então faça algumas das coisas a seguir. Vou dar a lista.

1. Esteja em paz com as pessoas. Evite conflitos inúteis. Procure estar em paz com as pessoas da sua região, trabalho, faculdade, etc. Evite confusões na internet, facebook.

2. Evite polêmicas. Evite discussões políticas ou opiniões muito polêmicas. Amigos, o mundo está repleto de psicopatas. A verdade é que todos esses grupos políticos, independente de orientação, vai ter um doido que vai desejar o teu mal e querer te prejudicar. Se você bater de frente com um psicopata, ele vai fazer o possível para te caluniar, destruir a sua imagem e isso certamente vai piorar a sua ansiedade.

3. Leve uma vida discreta. Boa parte dos problemas começam quando chamamos atenção demais. Para ser feliz, não é preciso ser famoso, chamar atenção. Pelo o contrário, quanto mais famosos nós somos, mais haters nós atraímos. Muitas pessoas não aguentam e entram em pânico nessa hora.

4. Tenha uma espiritualidade sólida. Eu diria que esse conselho é opcional. Mas amigos, esse mundo é terrivelmente materialista. Nós vemos que as pessoas que fazem o mal não acreditam em nenhuma outra forma de justiça além da terrena. Eles possuem certeza absoluta da impunidade. Quando sofremos uma injustiça muito forte, é quase impossível aceitar isso. Se você acredita fielmente que só existe a justiça do mundo físico e as leis humanas, realmente pode ser insuportável lidar com algumas situações de injustiça, dor, sofrimento e outras situações que você sabe que não mereceu passar. A espiritualidade me ajudou a acreditar em uma justiça que transcende esse mundo e tenho fé para acreditar que todas as pessoas sádicas que desejam o meu mal um dia irão lidar com isso numa outra instância, que não é terrena. Isso ajuda a estruturar o meu meu mundo e me manter tranquilo perante as coisas que eu vejo.

5. Aceite quem você é. A primeira coisa que acontece com a gente quando passamos a ter transtorno do pânico e ansiedade generalizada é um intenso sentimento de culpa e vergonha. Amigos, ter ansiedade não é crime. Não somos monstros por causa disso. Não existe nada de errado nisso. Toda vez que você se sentir mal por ter ansiedade, lembre-se disso. Não existe um problema moral na ansiedade. Aceite quem você é. Não sinta culpa, medo ou vergonha por ter ansiedade. Eu me lembro que tomava remédio por medo de ficar estranho na rua, medo de pagar mico, agir esquisito, ser visto como estranho, esquisito. Se você tem um ataque de pânico, ninguém tem o direito de pensar nada de você. Ninguém. Você não é pior do que ninguém por isso. Agora, você tem que fortalecer esse pensamento na sua mente. Toda a vez que vier o sentimento de culpa por estar ficando ansioso demais na rua ou em ambientes sociais, lembre-se disso. Pense isso na hora. Então, eu tenho as crises. De vez em quando pago mico. Na hora fico tenso, mas depois passa e eu fico bem, pois eu sei que não sou pior do que ninguém por isso. Eu aprendi a me aceitar. Não quero e nem preciso de remédio para evitar as situações com medo da vergonha posterior, pois já aceitei que isso é do ser humano.

6. Elabore suas culpas e seus medos. Eu estudei muito esse assunto. Boa parte da nossa ansiedade é causada pela culpa, geralmente antecipatória. Imagine, por exemplo, que você vai falar em público e começa a tremer muito de forma quase incontrolável. Subitamente vem os pensamentos de que todos estão assistindo a sua ruína, de que ninguém vai respeitá-lo. Se tem uma mulher na plateia bonita e você é solteiro, você vai pensar que ela jamais irá amá-lo por tremer daquele jeito. Você viveu algo parecido no passado e acredita que vai ser o fim se acontecer novamente. Amigos, Não se pode viver tentando evitar passar ansiedade em público. Simplesmente esqueça isso. Eu tentava com todos os meus meios evitar as situações, como se isso fosse possível. Era um ciclo de culpa e ansiedade terrível. Só consegui sair disso quando finalmente ignorei na minha mente o que os outros vão pensar de mim nessas situações. Se eu tremer em público e daí? A vida continua. Os outros podem pensar o que eles quiserem, que você é inseguro e etc. Mas você não pode ser refém desses sentimentos de medo da crítica. Treine a sua sensibilidade para ignorar essas fantasias. Na maioria das vezes não existe crítica. Cansei de tremer em público, ter falta de ar, mas ninguém nunca disse que eu era louco, ou que estava estranho. E se falar, eu vou dizer que está tudo bem, que é só uma impressão. Amigos, os outros não sabem o que se passa na nossa mente. Eles possuem um monte de fantasias também. Pare de ficar o tempo todo especulando o que vai acontecer se você ter uma crise de ansiedade em público. E se tiver, simplesmente ignore e volte a sua vida normal. A partir do momento que passei a dissipar toda a culpa e vergonha dessas situações, tudo mudou. Da mesma forma que vem os pensamentos ruins, não foque sua atenção nessas coisas. Deixe essas coisas saírem da sua mente o mais rápido possível e foque sua atenção em coisas mais úteis.

7- Faça coisas positivas o tempo todo para si e para os outros. Seja uma pessoa correta no seu dia a dia. Trate as pessoas bem. Seja ético no trabalho. Seja educado, dê bom dia, boa tarde, boa noite. Ajude as pessoas que você pode. Mostre seu altruísmo para as pessoas a sua volta. Fazer o bem, melhora a sua imagem perante os outros e perante a si mesmo. Não se iluda pela técnica e pelo desempenho. O que traz paz são as ações éticas. Sendo uma pessoa ética no dia a dia, você terá respaldo perante você mesmo para se aceitar e eliminar toda a culpa causada pela ansiedade. O que é ansiedade perante todo o bem que você pratica?

8. Cuide da sua saúde e seja disciplinado nesse cuidado. Boa parte da nossa ansiedade piora com os problemas de saúde. Cuide bem principalmente do coração e da parte gástrica. Não subestime a dor física. Outra coisa que eu descobri é que os problemas de saúde ajudam a piorar a culpa também. As pessoas sentem que fracassaram em algum momento, visto que nem do corpo conseguem cuidar mais. Faça o que puder para ter boa saúde e sem dor física. Se for inevitável a dor, não sofra, com a consciência de que você se cuida. E lembre-se de que ninguém é pior do que ninguém por ter problemas gástricos e cardíacos. Você não é um ser humano pior por isso. Elimine a culpa associe aos problemas de saúde.

9. Por último. Foque a sua atenção em poucas coisas. Amigos, o excesso de atenção é muito ruim. Nós nos preocupamos com coisas demais. Ficamos nervosos e tensos por muitas coisas que são fáceis de resolver. Foque a sua atenção somente no que é importante e prioridade. Ignore os pequenos problemas, que geralmente causam preocupação inútil. Isso vai ajudar a limpar a sua mente de preocupações inúteis que geram ansiedade e sobrecarrega o sistema nervoso. Pare de focar a sua situação nos medos antecipatórios ou nas preocupações como pagar mico, ficar ansioso demais perante os outros. A partir do momento que você ignora a vergonha e a culpa de ficar ansioso em público, a sua atenção vai se concentrar em outras coisas que são igualmente importantes. Com o passar do tempo, você vai perceber que realmente não presta mais tanta atenção se os outros estão vendo você, ou pensando alguma coisa.

10. Elimine a culpa associado ao sintoma de ansiedade. Sempre que ficar ansioso daqui em diante, não sinta mais culpa por isso de maneira alguma. Se você conseguir isso, vai melhorar muito, mas muito mesmo. Esse ponto é o resumo de todos os pontos acima.

A minha vida não é um mar de Rosas. Eu tenho problemas de saúde ainda. Mas com a ajuda de todos esses pontos acima, eu estou muito melhor. Trabalho, faço concursos. Tenho tido alguns êxitos na minha vida. Sei que tenho muito a melhorar, mas aprendi a me aceitar e não sinto a culpa que sentia no passado, pois era insuportável aceitar que tinha ansiedade tão forte. Hoje tenho certeza de que sou uma pessoa tão digna quanto qualquer outra. E prefiro viver sem remédios, prefiro sentir a vida como ela é, sem estar anestesiado. Então é isso amigos. Abraços. Espero que isto ajude!

Sobrevivente

Mensagens : 18
Reputação : 3
Data de inscrição : 31/12/2014

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lições pessoais para as pessoas do fórum.

Mensagem por Ana Paula Psicóloga em Ter Set 05 2017, 20:42

Muito bacana seu depoimento. Very Happy

Ana Paula Psicóloga

Mensagens : 4
Reputação : 0
Data de inscrição : 05/09/2017

Ver perfil do usuário http://www.existenciaemequilibrio.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum