Últimos assuntos
» SENTINDO SOZINHA, RODEADA DE DE GENTE
Ontem à(s) 01:50 por Gustavo B

» Ansiedade e Hipocondria
Sab Nov 17 2018, 12:22 por CELIA GONÇALVES

» Um tabu entre clonazepam e alprazolam
Sex Nov 09 2018, 01:21 por LP0956

» 3 dias sem Paroxetina
Qua Nov 07 2018, 22:55 por Gustavo B

» Medicação para ansiedade
Ter Nov 06 2018, 00:31 por LP0956

» Rivotril ou Xanax para aliviar a abstinência causada pelo fim do efeito do Venvanse no final do dia?
Seg Nov 05 2018, 16:32 por LP0956

» Antidepressivos x vitaminas
Dom Nov 04 2018, 19:03 por Brick

» Mirtazipina
Seg Out 29 2018, 22:09 por Gustavo B

» Se não se morre da doença morre-se da cura!
Seg Out 29 2018, 16:37 por analobo

» Vida paralela
Seg Out 29 2018, 16:35 por analobo

Quem está conectado
7 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 7 Visitantes

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 65 em Seg Jan 01 2007, 03:04

Panorama da psiquiatria na atualidade

Ir em baixo

Panorama da psiquiatria na atualidade

Mensagem por Augusto Rangel 2014 em Qua Abr 25 2018, 10:36

Muito embora, já tenham sido dados alguns passos importantes, com a definição de “novas” doenças, nomeadamente com a sua inclusão no CID 10 – 44 e alíneas, pela OMS em 1998, as que dizem respeito às patologias dissociativas.

Já lá vão 20 anos e classe medica da área está a ter dificuldades em se adaptar a esta nova realidade, agora tornada oficial pela Organização Mundial de Saúde.

Então quando se define com clareza, nas recomendações da OMS que o ser humano deve ser tratado, tanto a nível físico como mental e espiritual … aqui, segundo a minha modesta opinião e não só, fere de morte os sectores mais conservadores.

E como disse, alguns passos começam a ser dados … já começa a ser obrigatória uma cadeira universitária na área (para cursos de psicologia), “ciências da espiritualidade” no Brasil. Nomeadamente na universidade de S. Paulo.

Já se recomenda prudência na aplicação de químicos a certos sintomas que estão relacionados com patologias dissociativas.

Que a catalogação de bipolaridade, até às de esquizofrenia, passando por surtos psicóticos e outros que não é bem como se pensava … daí, a tal recomendação na contenção de administração química.

Têm aqui uma palavra importante nessa recomendação, a classe dos psicólogos, pois a sua intervenção é de 1ª linha … após a correcta análise dos sintomas que os pacientes apresentam.

Tudo tem a ver com a sensibilidade de cada um, a par da formação específica, serem-lhes dada uma nova competência, a de poderem ter então uma alternativa. A de enviarem esses pacientes para terapeutas em questões dissociativas ou não sendo o caso, então sim, para psiquiatria.

Sabendo nós que a ação da psiquiatria é somente paliativa que esperanças terão esses pacientes em resolverem as suas questões? !!!

E a vertente curativa ? !!! aqui é que está o busílis da questão … e podem crer que é uma grande questão de fundo.

Eles sabem e sentem que nunca por nunca, poderão aspirar a dominarem técnicas capazes para curarem essas patologias … pois toda a sua formação tem a vertente paliativa e não curativa … Além disso, a sua formação está assente em bases erróneas do que é o ser humano.

Como mexe profundamente na conceção do que é o ser humano. ideias enraizadas na classe, limitam e sabotam de forma consciente, devido a interesses instalados na área desde há longas décadas, para não dizer séculos …

Se pensarmos bem, até é fácil de chegarmos à conclusão de que a própria psiquiatria, não se deveria intrometer nesta área específica, devido ao seu passado recente e longínquo. É como que exigir a um advogado que seja também arquiteto … não liga, nem tem lógica.

Terá que ser criada uma carreira independente, com formação específica, fora da medicina convencional. A de terapeuta em questões dissociativas. Pode ou não, ser de formação académica, isso para aqui não é importante, até porque essa nova classe, não irá prescrever qualquer tipo de químicos, mas que possa de facto saber resolver essas questões.

Bem, não quero criar aqui qualquer tipo de polémica, o tempo agora é de mudança e de andar para a frente, fazer aplicar esse novo conceito agora admitido oficialmente.

E para terminar este ponto que já vai longo, pensem bem na luta que se vai desenrolar … técnicas terapêuticas, curativas … sem necessitarem de químicos … uma área que envolve quantias astronómicas á escala global … pois é uma renda permanente … as forças que se irão opor a esse avanço terapêutico a bem da humanidade.

Augusto Rangel (Prof.)

Augusto Rangel 2014

Mensagens : 24
Reputação : 1
Data de inscrição : 05/01/2014

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum